quarta-feira, 2 de maio de 2007

Breve Nota Sobre o Amor

Nos últimos dias conversei com alguns amigos sobre o amor, a paixão e o desejo. Coisas distintas que muitas vezes colocamos no mesmo pacote. A grande pergunta das conversas ou do meu monólogo é se o amor é sempre fadado ao fracasso. Algumas pessoas responderam que sim, que todos os amores, um dia, acabam. Outros responderam que ele muda de forma conforme o tempo passa, e muito poucos disseram que ele sobrevive meio a vida caótica que levamos.
Eu sou da terceira opinião, afinal, por que amor materno não acaba nunca? Será ele tão diferente da vida à dois? Não acho que seja, afinal, tanto num quanto no outro, é preciso se dedicar, se doar, conseguir receber, experimentar, sofrer, aprender. E por que será que temos mais paciência para fazermos isso com um filho em relação à um namorado/a ou marido/esposa?
Quem foi que disse também que amor de mãe é incondicional? Já senti muitas e outras tantas vezes o olhar de ódio da minha mãe direcionado à mim, de desapontamento, de cansaço, e de vergonha. Também se odeia filho, mas filho também é perdoado mais facilmente.
Então porque alguns relacionamentos de casais duram tão pouco? Quando começam juntos, se amam desvairadamente, dois meses depois, se odeiam loucamente. Por que não temos a mesma paciência com o outro como se o outro fosse de fato (naquele momento) único, como um filho?
Só consegui chegar numa resposta que é meio clichè, mas que me parece verdadeira. Porque desejamos e nos apaixonamos, mas não amamos. E podemos desejar muitos e muito, podemos nos apaixonar diversas vezes por mês, podemos levar pra cama desenfreadamente inúmeros casos (desejando e passionalmente), podemos até ter carinho, mas são poucos que conhecem de fato o sentimento amoroso, esse que te faz ficar acordada, preocupada, este que sabe enxergar o defeito do companheiro/a, porque só a paixão é cega, este que se alimenta da mediocridade dos dias, do passar das horas, este que te absorve e te alimenta, este que faz a pessoa viver para o outro além de viver apenas para si, o único sentimento capaz de perdurar.
Que nos apaixonemos menos e nos amemos mais.

7 comentários:

pedro disse...

V. ainda tem dúvidas sobre os meus sentimentos? Eu acho q. é amor/o q. v. acha?

Fernando Bassat disse...

Ah garota, entrei aqui para dar uma olhada no que você escreve e não é que você escreve bem? risos
Mesmo distantes continuo sendo seu fã! Abração Dra!!

mauriciodndm disse...

Mas no amor não há a paixão e o desejo?

Gean disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gean disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gean disse...

Ma , acho que o desejo e paixão são como os pássaros, pousam e levantam vôo quando querem!Mas amar algumas pessoas a gente ama pela vida toda!!
Quanto aos casais, penso que existe uns poucos sortudos neste mundo... rs.

rafael disse...

Oi má, é a tia Regina.Concordo com tudo que vc disse, e não sei explicar suas dúvidas, apenas que tudo isso acontece mesmo! Se vc descobrir, me conte, tá ? bjos.