quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Quero ver Caetano dar sua risada

Nesta última terça-feira estava procurando alguma coisa na Tv quando me deparei com um show que Caetano Veloso fez para a MTV. E como fã assisti inteiro e percebo que ele continua o mesmo - mesmo sendo diferente. Continua rebolando, a viadice continua lá, num senhor que na maioria das vezes não é viado. É a mistura. Representa todos e canta tudo.
Caetano para muitos, a maioria, aqueles que se divertem e se entretém com danças do créu e batidas-mesmas das "musas" do axé, é um chato. E ele é chato porque fala tudo o que pensa a seu bel-prazer, de política à entretenimento. Tudo passa por ele. Todos querem saber sua opinião. E depois reclamam de suas respostas. Essas pessoas não gostam de sua inteligência privilegiada, de sua cultura vasta, do esnobismo e prepotência que lhe é tão característico, porque não entendem o que ele fala. Simplesmente isso: inveja maldosa.

Talvez a canção "Como Nossos Pais" cantado lindamente por Elis Regina esteja certíssima. Nossos ídolos ainda são os mesmos - e não estou falando da massa que se acostumou alienadamente com os mesmos acordes de músicas sertanejas - porque ninguém atualmente conseguiu ainda ser tão bom quanto Caetano, Chico, Milton, Gil, Ney. Poucos na música brasileira atual conseguem chegar a um nível equivalente. Já venho escrevendo sobre os que me emocionam: Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Adriana Calcanhotto, Marisa Monte e Lenine. Mas são tão poucos...

E imagino que temos que continuar reverenciando pessoas que construiram uma identidade musical marcante e característica na música popular brasileira. Errado: não precisamos reverenciar, mas respeitar é o mínimo.

Em uma parte desse show ele canta "Irene", e cantamos com ele: "eu quero ir minha gente, eu não sou daqui, eu não tenho nada, quero ver Irene rir, quero ver Irene dar sua risada". É isso Caê: somos tão efêmeros que deveríamos ter consciência que a risada de alguém que amamos pode ser incrivelmente delicioso, pode e deve ser o melhor da vida.

Espero continuar ver por muito tempo, Caetano rebolando e soltando a sua bela risada. Nessas horas sinto-me também privilegiada.

6 comentários:

Lisa disse...

Não acredito que as pessoas se sintam invejadas pela inteligência e cultura de Caetano. Hoje em dia isso não vale muita coisa. Todos querem saber de um corpinho bonito e malhado. Triste os nossos dias certo?

Roberto Lázaro disse...

Não gosto da pessoa de caetano, e não por inveja mas acho que ele passa um pouco do limite
agora como compositor É O CARA!

Leandro Negreiros disse...

Sempre fui muito fã dele, a ponto de ler também seus livros, mas acho que ele caiu muito como compositor... Suas opiniões, pelo que me parecem, são sempre destinadas a causar alguma polêmica. As vezes soa forçado. Sou mais Bethânia hoje em dia...
Beijos,
Leandro

freitas m.toledo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nina disse...

eu creio que atualmente é moda criticar Caetano Veloso,ainda mais aqueles que não tem o mínimo conhecimento sobre a música brasileira. se caetano não fizesse mais nada durante o resto da sua vida já estaria de bom tamanho o legado que ele deixará e marcará seu nome na história - se não o maior - um dos maiores compositores da contemporaneidade. dele há inúmeras e por que não dizer centenas de obras primas prontas para o interesse deste povo que não deseja escutar obras primas e sim merdas de verão em verão. cansadíssima desse mundo fútil e decadente.

Mara Toledo disse...

Concordo Lisa e Nina.

Leandro, não comparo Caetano a Bethânia. Um é compositor e cantor, outra é cantora/intérprete.
Acho que é mais ou menos como tentar alguma semelhança entre banana e maçã.

Beijos para todos.