terça-feira, 15 de abril de 2008

Gramática

É que eu não sei o que faço com esse aperto esse nó esses laços que por fim me enforcam me roubam a vontade o desejo a emoção e sobrevivo respirando a vida dos outros que no fundo parecem tão banais quanto a minha
Assim mesmo sem vírgula e sem ponto

4 comentários:

Anônimo disse...

Bonito.

Lara disse...

Minha vida sem você está tão banal.

valentina_costa disse...

Não sei se a vida é banal ou é incrível. Tô tentando adivinhar com os anos...

nina.harvey disse...

triste...