quarta-feira, 16 de julho de 2008

Resposta

L, pensando bem no depoimento que você me escreveu, resultou nisso:
Você me chamou de diversas coisas e egocêntrica, elitista quem sabe?
A minha definição de elitista é simples e aqui é usado deliberadamente num sentido crítico de desaprovação de determinadas condutas ou comportamentos políticos, sociais e culturais vistos como indesejáveis na constituição de uma sociedade.
E segundo você, ainda sou louca.
Pensando bem, você tem toda a razão. Levo o crédito de que o amor é mais forte que os sinais de morte, o desejo da valorização da dignidade da pessoa, sonho e defendo a potencialidade humana, sobretudo daquelas em quem a sociedade de consumo não confia, a luta constante contra o desânimo, sabendo que o risco da esperança nos impele a propor caminhos sem ter o mapa exato do futuro. Os franceses costumam chamar de "loucos de Deus". Se eu acreditasse em Deus, possivelmente veria nisso um elogio.
Já dizia um grande psicanalista chamado Jurandir Freire que quem põe o dedo na ferida corre sempre o risco de provocar o sangue da incompreensão, do desagrado. (E diante das nossas elites, vai fundo na cultura da indiferença), porque realmente acredito que a indiferença anula quase totalmente o outro na sua humanidade.
Quem é elite e egocêntrica? Eu ou você?
O que me chocou não foi tanto a truculência das agressões verbais, mas a impotência de ter que lidar com isso sozinha, e eu aprendi a reagir a qualquer sentimento de indiferença, pessoal ou coletiva.
Quem disse que eu era utópica quando afirmei acreditar numa nova consciência, uma sede de participação, a afirmação positiva da pluralidade e da diferença,o valor do tempo presente, a radicalidade da dignidade humana?
Deixando claro: aceitei o depoimento, e até acatei as ofensas e logo depois o "te amo", mas não jogue para cima de mim o lado privado da sua violência pública, porque você sabe quem eu sou e eu sei muito bem quem você é.

6 comentários:

nina.harvey disse...

epa epa, as duas! vamos parar com isso. mara, por favor, você sabe que ela escreveu num outro tom, você mudou o tom do negócio, e lara, foi indelicado da sua parte. mas como conheço as duas muito bem, sei que isso também vai ser superado porque as duas são as criaturas mais incríveis, lindas, charmosas e inteligentes que eu já tive o prazer de conhecer. amo vocês.

Helena disse...

Então, concordo com a Nina.
Mara, quem te conhece sabe que você não é nada disso, você é incrivelmente especial (acho que até demais) capaz até de despertar sentimentos contraditórios, que acho que foi o caso da Lara.
Mas a gente ama e pronto. Ainda bem.

valentina_costa disse...

Onde você foi se meter,minha querida?

Anônimo disse...

ola,acompanho seu blog há muito tempo e o que estou vendo aqui é surpreendente.

rodriguez_lara1 disse...

Primeiro o que eu queria falar é qe detesto "anônimos" à dizer coisas supérfluas.
Segundo, Mara, eu já havia pedido desculpas, mas pra v. isso não bastou e v. teve que escrever isso no blog,por mim tudo bem. (e eu não preciso de gente me apoiando ou escrevendo coisas para amenizar a situação).
V., Mara tem todas as qualidades do mundo,mas tem um defeito que é dose de leão; v. não aceita ser contrariada, v. não aceita que as pessoas pensem diferente de v, não sabe ouvir críticas mesmo quando a pessoa se arrepende das críticas e te pede desculpa, acho isso um pouco rancoroso da sua parte tendo em vista que a outra pessoa sou eu.Outra coisa,eu não te chamei de elitista e nem sei da onde v. tirou isso e v. também sabe que ter dinheiro não quer dizer que é a mesma coisa de ser elite. Tenho dinheiro mas ao dizer que v. era utópica em determinados assuntos é por ver a realidade nua e crua e achar que mudá-la é algo um pouco mais complicado,isso não quer dizer que eu seja elite ou egocêntrica.
Eu fui rude com os seus sentimentos e v. está sendo com os meus,acho que tanto da minha parte como da sua isso chama-se imprudência.
Ma, eu te amo,independente de nomes que eu possa te chamar para chamar um pouco da sua atenção,se v. não sacou que era isso que eu estava fazendo peço desculpas (novamente).
Vamos usar o telefone agora?

Anônimo disse...

Desculpe...e eu admiro o q a Mara escreve e para mim surpreendeu a posição dela só me fez admira la mais.